fbpx
Maureen Villanueva, Coordenadora Associada do Capítulo do GCCM México, fazendo sua exposição no evento.

Organizado pelo 350.org junto a centenas de organizações associadas, entre elas o Movimento Católico Global pelo Clima, do dia 9 a 11 de abril foi realizado o Encontro Global por uma Recuperação Justa.

Foi um evento online para reunir ativistas, lideranças do clima, artistas e pessoas interessadas em resignificar um futuro sustentável e justo. As sessões do programa eram gratuitas, multilíngues e divididas de acordo com os fusos horários.

Influenciadores globais participaram, como Naomi Klein (Canadá), Greta Thunberg (Suécia), Ailton Krenak (Brasil), Vandana Shiva (Índia), Hakima Abbas (Quênia), Nnimmo Bassey (Nigéria), Eriel Deranger (Canadá) e Noelene Nabulivou (Fiji), entre outros.

O GCCM fez uma apresentação na sexta-feira intitulada Católicos Frente às Mudanças Climáticas em um Nível Global. Ana Belén Ortega foi a moderadora e participaram como palestrantes Lindlyn Moma, Diretora de Advocacy, Maureen Villanueva, Coordenadora Associada do Capítulo do México, e Mateusz Bednarkiewicz, Conselheiro Sênior da Polônia.

Lindlyn Moma, de Joanesburgo, África do Sul, afirmou que “as organizações são chamadas a ver, julgar e agir no desinvestimento”. Ela também mencionou que “não é tarde para desinvestir”, mas “o tempo é crítico e devemos fazê-lo agora.” 

O próximo anúncio de desinvestimento é em 19 de maio. A Diretora de Advocacy do GCCM disse que “o desinvestimento funciona e o próximo passo é investir com responsabilidade”.

Por sua vez, a Coordenadora Associada do Capítulo doMéxico encorajou o público: “Somos todos chamados a atuar em todas as escalas e setores, as ações locais são a chave para um impacto global”, e acrescentou: “As pessoas querem agir, ajude-as a saber como começar”.

Maureen Villanueva concluiu afirmando que “é importante começar a fazer um plano, guia ou quadro de referência para poder definir ações estratégicas sobre a própria realidade”.

Na última parte da apresentação, Mateusz Bednarkiewicz, Conselheiro Sênior da Polônia, destacou que “as negociações climáticas e os mais vulneráveis ​​estão conectados”, e que “a Igreja Católica tem muito a contribuir durante e após as COPs ou negociações climáticas” .